quarta-feira, 23 de abril de 2008

Se ainda caibo no teu peito.

Se ainda caibo no seu peito
Não acabe com o respeito que ainda sinto por você
como vôo de passarinho, segue o poeta por inteiro
num desejo assim ligeiro, o mundo todo a conhecer.

uma coisa te prometo, na liberdade do sorrir,
vais ver que o amor é passageiro
Que engana o bilheteiro e anda de graça por aí
Mas o amor não é acaso só depende de um caso para vir a existir.

Das minhas asas vem a pena que sustenta esses versos
no crepúsculo do pôr vir.
Minhas veias sedem a tinta pra que leias essas rimas,
com respeito para ti.

E nesse céu forro meu leito, pelo amor cedido.
O mesmo que rouba o bilheteiro, sem receio.
Das núvens te peço com um gorjeio sorrateiro...
... Não acabes do poeta o respeito...
... Se ainda caibo, eu, no teu peito...

Rafael Costa & Bruno DelTony

Um comentário:

Quetzalli disse...

Que lindo meu amor! É uma música não? Muito lindo mesmo...
Escreveu pensando em mim... ?
te amo